Medidas contribuem para a redução do consumo de energia elétrica

A Gerência de Tecnologia da Informação (GTI) vem traçando novas estratégias para diminuir o consumo de energia elétrica e de papéis nas instituições vinculadas à Sociedade Mineira de Cultura (SMC), mantenedora da PUC Minas. Uma das iniciativas de maior impacto na redução dos gastos de energia elétrica é a utilização de um software que permite desativar funções parciais ou completas das máquinas quando estão inativas após determinado período. “Com esta medida, esperamos economizar aproximadamente 30% no consumo de energia dos computadores da Rede Administrativa. Estamos estudando também a possibilidade de implementar posteriormente este sistema na Rede Acadêmica”, informa Marcelo Nassau, gerente de Tecnologia da Informação da Sociedade Mineira de Cultura.

Marcelo Nassau, gerente de TI da SMC

Outra medida adotada pela Gerência de Tecnologia da Informação foi a virtualização de servidores de rede, desativando os espaços físicos utilizados por máquinas físicas que foram consolidadas em uma moderna plataforma de servidores virtuais, o que garantiu uma economia de energia elétrica de aproximadamente 15% por mês.

Ainda com a finalidade de manter práticas sustentáveis na instituição, três antigos equipamentos de grande porte para refrigeração da sala de servidores da GTI serão substituídos, neste ano, por dois equipamentos mais modernos, que reduzirão significativamente o consumo de energia elétrica. “A perspectiva é de que este investimento será recuperado em apenas um ano, considerando apenas os valores economizados”, afirma Marcelo Nassau.

As ações para reduzir o gasto energético com equipamentos de tecnologia se iniciaram há quatro anos, quando as impressoras começaram a ser substituídas por novos equipamentos mais modernos e mais eficazes, alugados por meio de uma empresa terceirizada, otimizando o custo de operação. Em vários setores onde antes havia mais de uma impressora, as demandas de impressão passaram a ser direcionadas para apenas um equipamento, reduzindo em mais de 50% o número de máquinas na instituição. “Aqui na GTI, por exemplo, em um andar com aproximadamente 90 pessoas, utilizamos apenas dois equipamentos. As pessoas estão pensando mais antes de imprimir, além de explorarem recursos como a impressão frente e verso e a digitalização de documentos para economizar e facilitar a gestão de informações em meio digital”, constata Nassau.

De acordo com ele, a partir deste mês de março serão gerados relatórios mensais de cada setor, apontando casos de desperdício ou de uso inadequado das máquinas.